Resenha: Máscara Capilar Tressemé Keratin Smooth

Num dia qualquer fui ao mercado procurar uma máscara barata que tivesse queratina. Levei pra casa a Tressemé Keratin Smooth e… Amei! É muito melhor do que eu esperava!

DSC_0365

As promessas: Nutrir e reconstruir a fibra capilar. Cabelos mais lisos, macios e controle do frizz por até 48 horas.

O produto: É um creminho branco, bem consistente. O cheiro é docinho e gostoso. O pote é simples e tem tampa de rosquear. A embalagem diz que o ph é baixo.

O preço: Paguei algo em torno de R$ 11,00 por ela e valeu muito a pena.

DSC_0366

A aplicação: Deve ser usada após o shampoo. O tempo de espera é de no mínimo 3 minutos.

Eu uso ela durante o banho mesmo. É fácil de espalhar e amolece o cabelo assim que você aplica.

A minha opinião: Amei! No meu cabelo o efeito que se sobressai é de hidratação, apesar de conter queratina. Ela deixa o meu cabelo macio e levinho, gostoso de pegar. Também achei que dá uma alinhada e reduz um tanto do frizz. Ainda me oferece um “brilhinho” a mais. Eu gostei muito, funcionou muito bem pra mim como uma hidratação daquelas que não pesam e deixam o cabelo bem soltinho. Certamente compraria de novo!

Indico para: Meninas que querem uma máscara que hidrate e cuide dos fios sem pesar.

DSC_0368

E vocês, já usaram esta máscara? Se apaixonaram como eu?

Ná Blézins

Faça você mesma: Estampa com carimbo de EVA

Fazia tempo que eu estava querendo uma blusinha com estampa de gatinhos. Mas, eu não conseguia achar nenhuma do jeito que eu queria para comprar. Então, eu tinha duas opções: sentar e chorar ou… dar um jeito de fazer eu mesma. Resolvi me virar e fazer minha própria blusinha com estampa de gatinhos. Para isso, dei uma pesquisada na net, adaptei algumas coisas e tcharam! Agora eu tenho minha blusinha de gatinhos!

DSC_0360

Quer fazer também?

Então, você vai precisar de:

DSC_0318

– Uma blusinha ou camiseta;

– EVA (um pedaço pequeno);

– Tinta para tecido (daquelas de pintar guardanapo);

– Pincel;                                    

– Cola instantânea multiuso (eu usei a Tek Bond 793);

– Tesoura;

– Algo para servir de base para o carimbo, só pra você ter “pegada” na hora de carimbar – eu usei um bloquinho pequeno de post-ite, mas pode ser uma caixinha de fósforos ou qualquer outra coisa;

– Caneta;

– O molde do desenho que você quiser estampar – eu peguei uma imagem de gatinho do jeito que eu queria na internet, aí o marido passou para o papel e eu recortei;

– Papelão, plástico ou jornal.

Como fazer:

Com a ajuda da caneta passe o desenho escolhido para o EVA duas vezes. Recorte os dois desenhos. Você terá dois moldes em EVA. Cole um no outro, só para o molde ficar mais altinho. Cole este molde de EVA na sua base para o carimbo e… O carimbo estará pronto! Agora é só você passar a tinta no desenho com o pincel e ir carimbando a sua blusinha. Mas, antes, lembre-se de colocar algo, como um papelão ou plástico (usei jornais), entre um lado e outro da blusinha, senão a tinta mancha o lado oposto.  Se for estampar os dois lados, espere um lado secar para depois fazer o outro. Prontinho!

Olha só gente, o desenho não fica perfeito não! Ocorrem umas “falhinhas”, mas eu fiquei bem feliz com o resultado. Melhor uma blusinha de gatinhos imperfeita do que nenhuma blusinha de gatinhos! Haha!

Gostaram? Vão fazer também? Se fizerem eu quero ver!

Ná Blézins

 

Vamos falar de estilo? Parte 2 – O que aprendi fazendo detox no armário

Ao fazer um detox no meu armário percebi que a minha prioridade é conforto. Não gosto de roupas que me sejam motivo de incomodo ou preocupação, já tenho coisas demais pra me preocupar. Sou simples, no geral não gosto de muita extravagância. Também gosto de coisas bem femininas e delicadas, como estampas bem miudinhas. E uma pitada de diversão também é bem vinda. Resumindo o que eu quero é: conforto, simplicidade, feminilidade e diversão.

Tirei umas “fotinhas” de algumas coisas com as quais eu fiquei e que tem tudo a ver comigo, só pra vocês visualizarem “o meu estilo” (ai metida!). Gente! Só agora eu reparei que só tem fotos com saias e vestidos! É que tava muuuito calor neste dia! Sorry!

Sabe o que mais eu descobri?

– Estilo pessoal tem muito a ver com personalidade. Não dá pra desvincular estas duas coisas. A maneira de vestir é uma forma de colocar a personalidade para fora. Por isso, quando vestimos algo que não gostamos parece que passamos o dia inteiro incomodadas com alguma coisa e essa coisa se chama roupa!

– Todo mundo tem o seu estilo, mesmo que ache que não tem, e isso independentemente de gostar de moda ou não. Você vai pensar: “mas tem gente que nem liga pra roupa!”. Olha, muitas pessoas não passam horas escolhendo o que vestir, mas mesmo assim elas têm suas preferências, ou seja, seu estilo. Por isso volto a afirmar que acho que todo mundo tem seu estilo, ou seja, seu jeitinho de se vestir.

– Quando a gente muda, o nosso estilo pode mudar junto. Não é porque você definiu um estilo que tem que ficar presa nele. Se tiver com vontade de mudar, mude! O estilo é seu, faça com ele o que quiser!

– A moda tá aí pra você usar de acordo com seu estilo. Tem coisas que são tendência e que enchem as vitrines mas não tem nada a ver com seu estilo e você não é obrigada a usá-las. Mas se tá na moda e tem tudo a ver com você… faça bom proveito!

– O meu estilo não precisa agradar as outras pessoas. Ele deve agradar a mim mesma, fazer com que eu me sinta bem ao me vestir. Ninguém precisa gostar do que eu visto, eu comprei pra mim, eu acho lindo e é isso que importa!

Só pra finalizar: Amei tirar um tempo pra pensar nos meus gostos. Me desfiz de um monte de coisas que só ocupavam espaço e confundiam a minha cabeça. Certamente farei compras mais pensadas e melhores daqui pra frente. Foi um ótimo exercício de autoconhecimento. Me sinto mais leve e mais feliz e ainda ajudei outras pessoas com as doações!

E aí meninas? Quero saber qual é o estilo de vocês! Me contem, tá?

Ná Blézins

Vamos falar de estilo? Parte 1 – Detox no armário

Estou numa fase em que estou tentando ser mais fiel ao meu estilo. Tô ficando mais velha e mais chata, sabe? Não quero mais vestir aquilo que não me faz feliz. Só quero usar roupas que me deixem confortável e confiante. Sabem como é isso? Já faz um tempo que vinha olhando meu guarda-roupa e pensando: estas coisas não têm nada a ver comigo, o que elas estão fazendo aí, ocupando o meu espaço?

Acontece que eu sempre ganhei muitas coisas, principalmente da minha mãe, que adora uma liquidação e sai por aí comprando roupas pra todo mundo. Aí, eu ganhava muitas coisas que não tinham a ver comigo e usava, porque né?  Dava dó de pensar que aquele dinheiro seria perdido. Mas aos poucos eu fui me entendendo com “mamis” e devolvendo pra ela coisas que me dava e que eu não gostava ou que não ficavam boas em mim. E, com muito carinho envolvido, acho que ela foi entendendo. Hoje, quando ela me traz alguma coisa ela já diz logo: “Filha vê se você quer, senão dou pra outra pessoa”.

Então, ao resolver esta questão com minha mãe, parti pra outra etapa: desentulhar do armário as coisas que já estavam lá e que não tinham nada a ver comigo. Tirei horrores de coisas e doei, havia várias peças com etiqueta ainda. E nossa! Isso foi mesmo ótimo. Dá um medinho de certas coisas fazerem falta, por isso fui tirando as peças aos poucos. Esta etapa foi realizada em vários capítulos. Hoje eu tenho mais espaço e isso é mesmo ótimo, eu até consigo movimentar os cabides, o que era praticamente impossível tempos atrás. Viva o desapego!

DSC_0286

Algumas coisas que doei até me agradavam aos olhos, eram bonitas, mas eu não usava nunca. Isso porque algum detalhe nelas era completamente contrário ao meu estilo. Me desfiz de tudo o que era tomara-que-caia, por exemplo, isso porque apesar de eu achar aquelas roupas bonitas elas não eram suficientemente confortáveis pra eu usá-las. Eram lindas, mas não tinham a ver comigo, sabe como é? O fato é que não gosto de ficar me preocupando em não deixar coisas demais aparecerem. Então evito coisas muito justas, curtas e decotadas. Esse é meu jeito e resolvi me aceitar assim.

Hoje eu sinto que estou me conhecendo e me aceitando melhor no que diz respeito a me vestir e quero continuar assim. Aprendi coisas bem legais desde que comecei a me preocupar mais com aquilo que eu visto. Percebi que é bom demais só vestir coisas que me fazem bem e que estilo cada um tem o seu. Aquilo que me agrada pode te causar pavor e aquilo que você gosta pode me parecer estranho. Mas é assim mesmo, ainda bem que cada um gosta de uma coisa diferente, né? Seria meio sem graça se todas as mulheres usassem vestido florido todos os dias, não seria?

Vamos continuar conversando sobre estilo no próximo post? Não percam, tá? Vou falar o que aprendi sobre estilo ao fazer detox no armário.

Ná Blézins

Opinando: É preciso mesmo cortar o cabelo a cada três meses?

O corte de cabelo, que é uma coisa tão simples pra alguns, pode se tornar um dilema pra quem está deixando o cabelo crescer. Isso porque pra quem quer cabelos longos qualquer centímetro faz diferença. Não é mesmo, meninas em processo de crescimento capilar?

www.institutodiplomata.com.br

Imagem: www.institutodiplomata.com.br

Sempre ouvimos por aí duas idéias em relação a este tema. Tem gente que acredita que é mesmo necessário cortar o cabelo a cada três meses pra que ele cresça rápido. Enquanto que um outro grupo de pessoas pensa que isso não tem nada a ver e que pode ficar quanto tempo quiser sem cortar os cabelos que isto não vai interferir no seu crescimento.

Querem saber o que eu penso sobre isto? Então, deixa eu esclarecer, antes de mais nada, que este post é sobre algo que eu acho, de acordo com minhas experiências pessoais. Eu não sou nenhuma especialista em assuntos capilares, então este é um post de “achismo” mesmo.

Faz um ano e dois meses que estou deixando o meu cabelo crescer e neste período todo só cortei uma única vez (excluindo o corte que fiz logo antes de iniciar a saga). Se você faz parte do primeiro grupo, aquele que acredita ser necessário cortar a cada três meses, deve estar com “siricuticos” neste momento, ao ler que só cortei uma vez neste tempo todo. Mas eu explico: eu acredito que não existe um período certo pra cortar os cabelos. Não acredito que três meses seja o tempo de pausa ideal entre os cortes. No entanto, também acho que não é prudente deixar de cortar os cabelos quando isso se faz necessário.

Os problemas que vejo na teoria 1 (a de cortar a cada três meses): Os cabelos crescem a partir da raiz, então não dá pra acelerar o crescimento cortando as pontas. Entende? E se cortamos mais que o necessário nunca veremos crescimento. Pois, neste caso você está “tacando” a tesoura em todo o crescimento que conseguiu em três meses. Para obter um crescimento satisfatório acredito mais numa boa alimentação e em cuidar da saúde do couro cabeludo e dos fios do que em cortar em períodos específicos.

Os problemas que vejo na teoria 2 (a de que cabelo não precisa de cortes regulares): Da mesma maneira que não acredito que haja um tempo de pausa ideal entre os cortes, também não acho que podemos deixar de cortar quando o cabelo necessita disso. Quando demoramos mais do que devemos as pontas ficam muito ressecadas e surgem pontas duplas. Aí o cabelo quebra e embora ele esteja crescendo, você não consegue notar, porque o crescimento que você ganha na raiz você perde nas pontas que estão se quebrando.

Mas o que fazer então?

Dica 1: Cuide dos seus fios. Faça hidratações, nutrições e reconstruções. Tudo de acordo com as necessidades específicas do seu cabelo. Quanto mais cuidado ele for, mais vai demorar pra ele precisar de corte.

Dica 2: Conheça o seu cabelo, olhe e toque nele. Veja como estão as pontas. Então se pergunte: tá precisando cortar? Pode ser que você perceba que ele está gritando por tesoura e neste caso recomendo que você faça logo o que precisa ser feito: tesoura nele! Mas, pode ser que você perceba pontas muito saudáveis, que não precisarão de corte tão cedo. Aí é só continuar cuidando dele e deixar pra cortar quando perceber que ele está precisando ou quando quiser mudar o visual.

E você, o que acha a respeito da pausa entre um corte e outro? Quero saber a sua opinião!

Ná Blézins